Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Médica em Construção

Já sou meia médica (e licenciada!)

É altura de virar a página e respirar de alívio. Este ano foi desafiante de várias formas: pela sua dificuldade; pelos problemas pessoais com os quais tive que lidar; pela necessidade de priorizar a saúde mental e colocar as notas e o curso em segundo lugar. Tive os meus primeiros chumbos, os meus primeiros recursos, e não foi nada fácil! Houve momentos em que pensei que talvez este curso não fosse para mim, em que cogitei desistir. É muito frustrante saber que não pude dar todo o meu potencial, especialmente num ano já tão complicado, mas nada acontece por acaso, e aprendi várias lições! Posso afirmar que não sou a mesma pessoa que era setembro. 

Apesar disto, vivi momentos fantásticos, ao lado de pessoas que amo e que tornam a vida muito mais bonita. O apoio das minhas amigas, do meu namorado, da minha família, foi essencial! Este ano decidi arriscar mais, experimentar mais, viver a vida com mais intensidade e com menos receios.

Aprendi que devemos ser a nossa maior prioridade. Que uma nota não define aquilo que somos. Que a vida dá voltas, e que um mau momento não nos define. Que o que levamos connosco são as experiências e as pessoas! Que não há nada de errado em pedir ajuda. Que por vezes temos de parar e refletir, por muito que isso afete outros campos da nossa vida. Que tudo se resolve, de uma maneira ou outra.

Já só falta outra metade! 

- De uma meia médica

Primeiro chora-se, depois aceita-se

Talvez pareça inacreditável, mas foi nesta época de exames que chumbei pela primeira vez a uma cadeira. Por duas décimas. Como não ficar frustrada?

Primeiro chorei. E chorei bastante! Parecia que o mundo tinha acabado, ou que estava para acabar. Sentia-me subitamente desmotivada com o curso, e deixei o cansaço de todo o ano falar mais alto. De repente a minha organização do estudo teria de mudar completamente, para ter tempo de estudar para o recurso. Teria de voltar a rever as centenas de páginas de conteúdo; memorizar novamente todos aqueles fármacos, com nomes incrivelmente parecidos. Teria de assumir que tinha falhado pela primeira vez, e para alguém que dá dicas de como ter boas notas no Instagram, foi algo até irónico!

Permitir-me sentir todas estas emoções foi libertador. É normal sentir tristeza, frustração, desmotivação, e não devemos reprimir estes sentimentos! Depois de passar pelas 5 fases do luto em 2 horas, arregacei as mangas e segui em frente. Tinha um recurso para provar o meu valor. Não era a primeira pessoa a chumbar a farmacologia, nem seria a última! 

A vida tem destes desafios. Mas deverá um pequeno contratempo nos deitar a baixo? Nunca!

Nem tudo mau é realmente mau

Queria fazer um texto bonito sobre o quão difícil a vida pode ser, e sobre aquilo que podemos aprender com as adversidades, mas não consegui. Escrevi, apaguei, voltei a escrever, voltei a apagar. Não há nada de bonito no sofrimento. Nem tem de haver. 

Este último ano foi o transbordar de um copo cheio: cheio de traumas, medos, crenças infundadas, inseguranças. E quando o copo transborda, não podemos culpar apenas a gota de água, mas sim todo o conteúdo esquecido, deixado por tratar. E é infelizmente apenas quando o copo transborda que nos preocupamos em resolver aquilo que durante tanto tempo deixamos para trás. Não, o tempo não cura tudo. Acreditar nisso foi o meu maior erro. O tempo apenas permite que o trauma crie raízes e abrace o nosso futuro.

Sem o transbordar o copo, não estaria como estou neste momento. Permaneceria a pessoa assustada, pequena, pessimista, que durante toda a minha vida fui. E por isso, por muito difícil que tenha sido este último ano, não podia estar mais grata por tudo o que aconteceu.

Se estão na dúvida, este é o vosso sinal: procurem ajuda. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub